quinta-feira, 1 de março de 2012

PISA x PIB: Relação entre educação e riqueza das nações

Existe uma relação entre educação e a riqueza de uma nação. Quanto mais rica, melhor educação terá seu povo. Pouco adianta lamentarmos uma suposta baixa qualidade da educação brasileira se não relacionarmos o desempenho do estudante brasileiro com a riqueza do Brasil. Mas esta relação é linear?

Para obter a resposta, criei uma planilha com o resultado do teste PISA da OCDE de 2009, em Leitura, Matemática e Ciências, relacionado com o PIB, à época, dos 65 países envolvidos no teste PISA.

O PIB não é o melhor indicador da riqueza ou do desenvolvimento das nações, mas é o que tenho em mãos. Usei os dados do CIA Fact Book. Futuramente poderei relacionar com o IDH. Para ser mais preciso, eu deveria ter usado o orçamento nominal em educação de cada país (o Brasil investe 5% do PIB em educação, enquanto outros países investem 12%, por exemplo), mas este dado é  difícil de se obter para todos os 65 países que aplicam o teste PISA.

Primeiro, vejamos o ranking da eficiência, isto é, qual país gastou menos para conseguir o mesmo resultado. Como não tenho os gastos em educação de cada país, usei o índice grosseiro de riqueza, o PIB per capita. As tabelas relacionam, então, a riqueza do país com seu resultado no PISA. O quão o país é rico, per capita, por cada ponto no teste.



Pela tabelas, vemos que o Quirguistão é o campeão da eficiência educacional. E o Brasil não faz feio: está entre o 12º e o 15º lugar, pelo seu nível de riqueza.

Mas a relação riqueza versus melhores resultados cresce linearmente? Quanto mais o Brasil for rico, mais educado será?

Combinando os dados numa planilha LibreOffice Calc -- pontos PISA no eixo vertical, PIB per capita no eixo horizontal -- obtive o seguinte gráfico de dispersão:
Com este gráfico, nota-se que o aumento da riqueza não corresponde a um aumento automático e linear da Educação. Diferentemente, há uma curva que indica que a riqueza aumenta, mas a Educação não aumenta na mesma proporção. Pode-se notar uma "curva de aprendizado versus riqueza", que aparece em verde no gráfico abaixo (tracei-a manualmente), em vez de uma linha reta vertical.
Além disto, há um ponto em que o aumento da Educação desacelera notavelmente, em torno do PIB de 20 mil dólares PPC ou 480 pontos PISA. Assim, pode-se criar um vetor de eficiência educacional, isto é, uma interpretação de que alguns países são mais eficientes que outros na utlização de seus recursos. Este vetor é expresso pela seta azul, no gráfico abaixo, que flexiona a curva de aprendizado.
Desconsiderando os pontos fora da curva (dois paraísos fiscais e outro montado em petróleo), nota-se claramente que a curva tem dois momentos.

Países com renda de até 20 mil dólares PPC per capita têm um aumento considerável no desempenho PISA, quanto mais ricos são. Pode-se concluir que o desempenho educacional -- a eficiência da educação -- é crescente. Este grupo é marcado pela seta azul, no gráfico abaixo.
A partir do PIB per capita de 20 mil dólares PPC, o crescimento do desempenho cai muito, concluindo-se que diminui a eficiência educacional. A riqueza destes países, que supostamente envolveria aumento dos investimentos em educação, não corresponde à mesma eficiência que países de até 20 mil dólares per capita. Este grupo é marcado pela seta azul, no gráfico abaixo.

Conclusões

O Brasil está exatamente na posição que deveria estar em Educação, pelo seu nível de riqueza. Talvez esteja até melhor, porque investe pouco em Educação, pela porcentagem do PIB, em relação a outros países. Não há uma "tragédia da educação brasileira".

O desvio da curva poderia resultar de uma característica do teste PISA. Países pobres acertariam questões mais fáceis, e mesmo países ricos teriam mais dificuldades em acertar questões mais difíceis. Note-se que o teste PISA vai até 1000 pontos, e a China "só" chegou a 600. Nem "passaria por média 7". [Atualização: isto deve-se à metodologia dos testes PISA, a Teoria de Resposta ao Item. Ninguém chega à nota máxima teórica.].

No entanto, caso o desvio da curva não seja causado por situações como esta, se quisermos eficiência em nossa educação não deveríamos nos espelhar em países como a Finlândia ou Coréia do Sul, mas em países como a Estônia e China (não estou certo quanto à China. Está muito fora da curva).

Dados analisados

Planilha Google Docs Eficiência no teste PISA 2009.

4 comentários:

  1. Olá! Como você fez para iserir esta planilha no blog?

    ResponderExcluir
  2. Olá, Evandro!
    Pelo menu "Arquivo" do Google Docs, escolho "Publicar na Web". Aí, há uma série de opções de como publicar. Escolho HTML para embutir, e copio o código para colar nas páginas do blog.

    ResponderExcluir
  3. Aqui um estudo menos enviesado ideologicamente, muitos países tem pib per capita menor e melhor educação do q o Brasil, e curiosamente o mesmo ocorre com países da América Latina, dinheiro ñ falta, falta menos marxismo e paulo freire, mais liberdade e menos doutrinação marxista. http://rgellery.blogspot.com.br/2015/03/desempenho-dos-estudantes-da-america.html

    ResponderExcluir
  4. Enviesado ideologicamente? Onde isto está no texto? Só se complexo de vira lata for uma doutrina política.

    ResponderExcluir